Meus Contos Eroticos BR » Incesto » Dando leitinho na boquinha da mamãe

    Dando leitinho na boquinha da mamãe

    • 28 de setembro de 2020
    • 10 views

    Meu nome é Claudete, 41 anos, pele branca, 1,57m, 68Kg, olhos esverdeados, cabelos loiros, ondulados e compridos. Seios médios, bumbum redondo e grande. Pernas grossas. Estou num momento íntimo com meu marido. Adoramos jogos eróticos! Gostamos de nos chamar de papai e mamãe. É tão gostoso… Ajuda-nos a sair da rotina… Aguça-nos as taras um pelo outro! Temos dois casais de filhos. Estão nanando. Estamos na nossa suíte fazendo o que mais gostamos: AMOR. Tadeu, meu marido, tem 45 anos, pele branca, 1,79m, 83Kg, olhos pretos, cabelos castanhos escuros, lisos e passados à máquina (atrás e nas laterais). Ombros largos, bumbum carnudo e pernas fortes.

    Passam da meia noite… Deitados na nossa cama Box. Estou de quatro e vestida apenas com minha camisete branca, de algodão, comprida. Os seios estão duros e balançam enquanto enterro o pau na minha boquinha macia. Adoro chupá-lo e senti-lo crescer na minha boca quente. Sugo-lhe na cabeça e desço introduzindo-o até forçar a minha garganta. Com jeitinho, engulo-o todo. Meus olhos chegam soltar lágrimas enquanto sinto o cheiro do seu saco gostoso e escuto-o gemer de prazer! Tadeu é muito carinhoso… Sempre foi! Amamo-nos por demais. Para ele, dou até o cu. Aliás, adoro sentir meu rabinho preenchido pelo seu cacete duro.

    O cheiro e sabor do pênis excitam-me ainda mais… Lambuzado de salivas, então? Eu fico doooida de vontade para sentar em cima! Esfregar o clitóris e ter orgasmos sobre o membro rígido. Papai não resiste. Passa as mãos quentes na pele arrepiada do meu enooorme bumbum. Para provocá-lo, rebolo-o enquanto meus bicos duros roçam o lençol. Dou gritinhos gemendo entre lambidas no pênis saboroso. Tadeu inclina-se sobre a cama e acarinha-me nos cabelos loiros enquanto olho-o com o pênis na boca. Pisco para ele. Passo os dentes ao longo do corpo cheio de veias marcantes. Ele puxa-me pela cabeça e beija-me de língua… Delícia! Adoro chupar a língua dele. Beijamo-nos… Na boca, pescoço, orelhas e busto. Papai aperta-me, carinhosamente, nos seios e chupa-me nos mamilos duros que pulam o decote. O calor esquenta-me… Rosto queima. A xaninha lisa pulsa! Estou de joelhos e apoiada sobre meus calcanhares. Inclino-me para trás e fecho os olhos. Faço manhas… Gemendo, exclamo:

    – Aaai, amor… Estou looouca!
    – Delícia! Quero saborear esta bocetona molhada. Venha… Coloque-a sobre meu rosto?
    Nem precisou pedir duas vezes! Beijei-o de língua e virei meu quadril. Abri as pernas e encaixei-as sobre o rosto dele. Os lábios, macios e molhados, fizeram-me gemer como uma cadela no cio! Ele sabe onde e como chupar-me… Gozei sentindo-o matar a sede no meio das minhas pernas! As pontas dos seus dedos curiosos até hoje, depois de vinte anos de casada, dão-me infinitos prazeres. Abrem-me na xana e buraquinho de fazer cocô. Eu adoro sentir dedos lubrificados invadindo-me, carinhosamente, nos orifícios. Papai reveza os dedos, médio e indicador, para invadir meu cu enquanto a língua brinca de entrar e sair da minha bocetinha molhada. Sinto o lubrificante frio caindo na entrada da xoxota. Logo, dedos espalham-no. Entram… Mexem! Que sensação maravilhosa! O pau está tão quente e duro dentro da minha boca. Fico paradinha, gemendo e respirando pelo nariz. Não quero saber de mais nada… Apenas gozar como uma porquinha!

    Meus seios? Esparramados sobre a barriga peluda. As poupas do meu bumbum? Acariciadas pelas mãos fortes e macias do meu macho. A língua entra no meu cu… Na minha boceta… Sacode-me no grelo! Como resistir? Meu líquido quente escorre! Escuto barulhos da boca dele chupando-o sem desperdiçar. As contrações fazem-me tremer o quadril… Gemer! Meus olhos fechados e respiração ofegante. Retiro o pau molhado da boca e exclamo:
    – Amooor… Aaaai… Que delícia! Chupe… Chupe-me, seu cachorro! Lambe… Estou gozaaando! Papaai… Aaaaaaai!
    Ofegante, saio de cima e deito-me ao lado. Sinto meu clitóris pulsando. Os músculos da vagina apertando-se… Chega doer! Contrações deixam-me hiper molhada… Líquidos escorrem! Sensação de ter poça de água no meio das pernas. Minha boca seca. Descabelada e suada, olho-o… O pau pulsa! Lindo… Duro e inclinado para o alto. Estico meu braço. Minha mão, pequena e macia, aperta-o! Gostoso… Punheto-o… Para cima e para baixo! Tadeu geme. Diminuo os movimentos. Não quero, ainda, fazê-lo gozar! Eu adoooro judiar. (risos) Liberto-o… Ele treme frente contrações! Viro-me de lado e, apoiada sobre meu braço, digo-lhe:

    – Papai… Enfia em mim?
    Os olhinhos dele chegam brilhar! (risos) Sinto-me uma garotinha indefesa. Faço manhas… Caras e bocas! Levanto-me, abro o criado mudo e escolho um brinquedinho. Plug anal, silicone, com vibro. Lubrifico-o e peço-lhe que me introduza no bumbum. Tadeu beija-me na boca e alisa minha bundona macia. Estou arrepiada… Meu cu pisca, abre e fecha, acompanhando os ritmos das pulsações na xaninha molhada. Deito-me de barriga para cima e abro as pernas. Levanto-as. Logo, Papai está lambendo meu bumbum e chupando o cuzinho apertado. Puxo-o pelas pernas. Quero chupar-lhe! Meia nove. Agora, ele quem está por cima. Admiro-o e enfio o pau na boca. Meu nariz toca-o no cuzinho fechado. Massageio-o no bumbum arrepiado e aperto-lhe nas poupas. Adoro chupar cuzinho. De homem e de mulher… Abafa o caso! (risos – assunto para outros contos) Eu e meu marido depilamos nossos órgãos sexuais. (não gostamos de ficar com pêlos na garganta – éca) Retiro o pau da boca e fico lambendo-o no ânus. O cheirinho de cu sem lavar deixa-me looouca! Forço a ponta da língua. Um pouquinho entra! (risos) Delícia. Chupo-o. Despejo lubrificante no seu orifício e lambuzo meus dedos, massageando-o. Seguro no bumbum e introduzo a ponta do dedo… O quadril contrai… Lindo! Entra e, logo, sinto o calor do seu cuzinho apertado. Abocanho-o no pênis enquanto, lentamente, introduzo todo o dedo médio no buraquinho de fazer cocô. O pau parece pedra… Adoro enfiar o dedo e chupar o pinto que escorre líquidos de excitação. Enquanto isso, após dedos do Papai abrir caminho, o plug anal entra e faz-me gemer de prazer. A boca lambuza-me de salivas e suga-me no clitóris. O plug entra, carinhosamente, e dedos invadem-me na xaninha. Sinto as paredes da xana pressionadas entre os dois dedos, indicador e médio, e o brinquedinho que ainda não vibra. Gememos de prazer. Revezo dedos no buraquinho dele chupando o pauzão gostoso. Tadeu aciona o vibrador. Exclamo:
    – Aaaai, Papai… Que delícia! Eu vou… Gozar de novo! Aaaaaaai!
    É um tesão sentir o plug vibrando no cu! Ele fica paradinho e provoca muita excitação. Retirei dedos do cuzinho apertado bem como o pau da boca. Pingava salivas… Espetava-me no pescoço. Pedi ao Papai que saísse de cima de mim. Desligasse o vibro. (não sou de ferro – risos) Sentasse encostado à cabeceira. Descansamos um pouco. Agachei-me, com o plug enterrado na bunda, e deslizei-me sobre o corpo do pênis duro. Meus lábios molhados abraçaram-no. Olhamo-nos… Beijamo-nos de língua. Enfiei a mão, sob quadril, e peguei no pau. Ajeitei-o, entre os lábios, e agasalhei-o. Entrooou gostoso na minha xoxota encharcada! Abraçados, sussurrei:
    – Papai… Ligue o vibro! Aaaai!
    Meu marido ligou o brinquedinho. Enquanto eu me esfregava no pintão, o plug vibrava no meu cu. Nossa… É uma delícia! Penetrada nos dois orifícios ao mesmo tempo. Abraçava-o. Fechava meus olhos e gritava de prazer. Não muito alto, pois minhas filhas nanavam no quarto ao lado! Meu clitóris esfregando-se sobre a base do pau e aquele negócio dentro de mim, não resisti… Gozei como uma porca! Fantástico! As contrações deixaram-me molinha. Meus seios inchados pressionaram-no o peito. Empinei o quadril. Urrei de prazer! Tadeu segurou-me pela bunda e lambeu-me o pescoço. Carinhosamente, desligou e retirou o plug do meu rabinho indefeso. Disse-me que estava quentinho! Lubrificou-meu no ânus e o brinquedinho. Voltou a introduzi-lo. Ficou ainda mais gostoso! Papai mexia o pau na xaninha e eu via estrelas tendo orgasmos:
    – Papai… Que delícia! Fode gostoso minha bocetinha!
    – Mamãe… Fique de quatro? Quero apreciar seu bundão carnudo!
    Ele desligou o brinquedinho. Uuufa! Estava ofegante. Eu me levantei do pênis. Meus joelhos queimavam de dor… Mas estava gostosa a farra! (risos) Beijei-o. Acarinhamo-nos, de joelhos, no lençol úmido e amassado. Tadeu deu tapinhas na minha bunda. Levantou-se. Sobre o chão, ordenou-me:
    – Mamãe… Fique de quatro.
    Foi o que eu fiz… Engatinhei. Empinei o quadril, com o brinquedinho dentro do rabicó, na beirada do colchão de molas. Peguei o travesseiro de plumas de ganso e enfiei meu rosto nele. Os seios apertavam o lençol enquanto o pau duro e grosso invadia-me na boceta. Papai ligou o brinquedinho. Estocou-me pressionando seu quadril contra o meu. Confesso que é uma sensação única e indescritível dois membros dentro do corpo simultaneamente! Um, entra e sai… O outro vibra. Eu não sabia mais onde estava… Gozava como uma condenada! As infinitas contrações nas entranhas faziam meu quadril tremer. Meus orifícios contraíam apertando os membros. Uau… Meus gemidos eram abafados pelo travesseiro e pingos de suor caíam no final das minhas costas! Não aguentava tocar meu grelo… Estava sensível demais! Os músculos da minha vagina mastigavam o pinto entrão. Meu marido gemia. O pênis pulsava. Eu sentia cada contração. Murmurei:
    – Papai, goze logo… A mamãe não aguenta mais!
    – Pode deixar… Irei te dar o leitinho! Você se comportou como menininha obediente!
    – Desligue-o… Tire-o do meu cu!
    – Nossa… Adoro cobrir sua bundona macia com a camisete… Fica ainda maior! Estou tirando o plug… Relaxe!
    – Aaaai… Devagar! Aaaai!
    – Pode deixar… Irei tirar com carinho, mamãe! Relaxe… Pronto! Já desliguei.
    – Uau… Que alívio, papai!
    – Delícia… Ah, se você pudesse ver seu cuzinho piscando, mamãe! Está tão lindo… Parece o buraquinho das suas amigas quando você tira o brinquedinho de dentro delas para me mostrar! Olhe… Sinta meu dedinho gostoso entrando? Aperte-me? Isso, safaaada!
    Virei meu rosto para trás, fechei os olhos e coloquei minha língua para fora. Disse-lhe:
    – Papai… Me dá leitinho? (risos)
    Não deu outra… Tadeu excitou-se por demais! (risos) Eu sei como mexer com a cabeça dele! Foram poucas estocadas antes de retirar o membro lambuzado e enfiá-lo na minha boca. Sentia o sabor dos meus gozos ao longo do comprimento do pau pulsante. Sugava a cabeça e sentia líquidos de excitação misturados ao meu mel. Picante… Levemente salgadinho! Eu adoro. Logo, papai estava dando leitinho na boquinha da mamãe! Sêmen jorrou na minha boca, língua, nariz e olhos. Parecia chafariz. (risos) Gotas de espermas atingiram-me no olho e no buraquinho do nariz. Tratei, imediatamente, de abocanhá-lo. Punhetava-o com a boca e engolia espermas quentes. Limpei o rosto com meus dedos. Garganta ficou ardidinha! (risos) Papai estava ofegante… Caiu deitado sobre a cama. Olhou-me… Sorrimos e nos beijamos de língua! Disse-lhe, balançando minha cabeça e fazendo graças:
    – Eu adoro tomar leitinho do papai! (risos)
    – Mamãe, deite-se. (risos)
    E assim, dormimos abraçadinhos. Claro, depois de tomarmos banho e lavar os brinquedinhos do amor! Eu amo meu marido. Ele me ama. Espero que você tenha gostado do nosso momento íntimo. Comente… Vote… Não passe vontade não! Aaah, se não gostou, tudo bem… Um beijo, um abraço e um apertão por baixo! (risos)
    Pessoal, por hoje é só! Fique em paz e obrigado pela leitura. Beijos

    Contos relacionados

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    © 2020 - Meus Contos Eroticos BR